Franz Liszt


O compositor mulherengo e protetor de Richard Wagner, que entrou para o sacerdócio, foi Abade da igreja católica e bibliotecário do Papa Pio IX, terminou sua vida pobre. Depois de ganhar fortunas, viver na nobreza, tudo que havia acumulado, era uma valise de viagem, com umas roupas brancas, uma batina de reserva, sete lenços e seu breviário. Suas últimas palavras, foram: “Tristão”, como último tributo ao gênio de Wagner, seu protegido



São Francisco de Assis (o louco de Deus)




Trecho da "Compilação de Assis" (do original em latim)

8 O bem-aventurado Francisco, mesmo sofrendo muito pelas enfermidades, louvou ao Senhor com grande fervor do espírito e alegria do corpo e da alma, e lhe disse: 
9 “Então, se devo morrer logo, chamai-me Frei Ângelo e Frei Leão, para que me cantem sobre a irmã morte”. 
10 Esses frades se apresentaram diante dele e cantaram com muitas lágrimas o Cântico de Frei Sol e das outras criaturas ao Senhor, que o próprio santo fizera em sua doença para louvar o Senhor e para consolar sua alma e a dos outros, 
11 no qual canto colocou antes do último um verso sobre a irmã morte, a saber: 
12 Louvado sejas meu Senhor, por nossa irmã a morte corporal da qual nenhum homem vivo pode escapar. 
13 Ai de quem morrer em pecado mortal. 
14 Felizes os que ela encontrar em tuas santíssimas vontades, porque a morte segunda não lhes fará mal.